vendredi 30 mars 2012

Nao ha silênçio que nao acaba

On dit en français que les grandes douleurs sont muettes .
C'est pourquoi je me tais .

Je suis entrain de lire le récit de la captivité d'Ingrid Bettancourt, six ans dans la jungle colombienne; dont le titre est " Même le silence a une fin..." Ainsi après ses six ans d'enfer à être " dépossédée de tout " et surtout d'elle même,
elle reprend part dans le monde des vivants et elle libère sa parole


"No hay silencio que no termine" est un des derniers vers du poème dePablo Neruda intitulé “Para todos”,

Pour tous '

Soudain, je ne suis pas capable de te dire
Tout ce que je devrais te dire
écoute et pardonne moi, tu sais bien
que même si tu n'écoutes pas mes paroles
je ne vais ni pleurer ni dormir
car même sans te voir près de moi tu te tiens
depuis si longtemps et jusqu'à la fin

Je sais bien que beaucoup se demandent
"mais que fait Pablo?" Et bien me voici
Si tu me cherches dans cette rue
Tu me trouveras avec mon violon
prêt à chanter
et à mourir.

Il n'est pas question de quitter personne
ni ceux-là, et encore moins toi,
et si tu écoutes bien, dans la pluie,
tu pourras entendre
que je reviens, et j'avance et je m'arrête
Et tu sais que je dois partir

Si mes paroles restent ignorées
Ne doute pas que je suis toujours le même
Même le silence a une fin
Quand viendra le moment, attend moi
et que tous sachent que je viens
dans la rue, avec mon violon


Para todos

De pronto no puedo decirte
lo que yo te debo decir,
hombre, perdóname, sabrás
que aunque no escuches mis palabras
no me eché a llorar ni a dormir
y que contigo estoy sin verte
desde hace tiempo y hasta el fin.

Yo comprendo que muchos piensen,
y qué hace Pablo? Estoy aquí.
Si me buscas en esta calle
me encontrarás con mi violín
preparado para cantar
y para morir.

No es cuestión de dejar a nadie
ni menos a aquéllos, ni a ti,
y si escuchas bien, en la lluvia,
podrás oír
que vuelvo y voy y me detengo.
Y sabes que debo partir.

Si no se saben mis palabras
no dudes que soy el que fui.
No hay silencio que no termine.
Cuando llegue el momento, espérame,y que sepan todos que llego
a la calle, con mi violín.

mercredi 7 mars 2012

Hope - Syria

Caros amigos,



Energizada por milhões de ações online e doações de 75.000 de nós, nossa comunidade está desempenhando um papel central no apoio ao povo da Síria enquanto eles persistem num protesto pacífico contra todas as desigualdades. Juntos, estamos empoderando jornalistas-cidadãos, infiltrando medicamentos e jornalistas ocidentais, e muito mais. Nós estamos fazendo a diferença, mas a coragem impressionante do povo sírio é o seu presente para todos nós. Leia este e-mail para saber a história completa, ou veja a recente cobertura da mídia sobre o trabalho da Avaaz na Síria: BBC, CNN, El Pais, TIME, The Guardian, Der Spiegel, AFP, G1.
Nesta manhã, 4 jornalistas ocidentais estão seguros em suas casas com suas famílias, mas os ecos do horror e heroísmo de Baba Amr ainda ressoam em seus ouvidos. Mais de 50 ativistas sírios, apoiados pela Avaaz, ofereceram-se para resgatar os jornalistas e dezenas de civis feridos da zona de risco do exército sírio. Muitos desses ativistas incríveis não sobreviveram à esta semana.

Abu Hanin é um desses heróis. Ele tem 26 anos, é um poeta, e quando sua comunidade precisou, Hanin assumiu a liderança para organizar os jornalistas-cidadãos que a Avaaz apoiou para ajudar as vozes dos sírios chegarem ao resto do mundo. O último contato com Abu Hanin foi na quinta-feira, quando as tropas do regime se aproximaram de sua localização. Ele leu seu último desejo e testamento para a equipe da Avaaz em Beirute, e nos contou onde enterrou os corpos dos dois jornalistas ocidentais mortos no bombardeio. Desde então, o bairro de Baba Amr onde ele vivia se tornou um buraco negro, e nós ainda não sabemos o seu destino.

É fácil se desesperar ao ver a Síria hoje, mas para honrar os mortos, temos que levar adiante a esperança de quem morreu com ela. Enquanto Baba Amr mergulhava em escuridão e o massacre se espalhava, os sírios tomaram às ruas -- mais uma vez -- por todo o país, em um protesto pacífico que mostrou uma coragem surpreendente.

Sua coragem é uma lição, o presente do povo sírio para o resto de nós. Porque no seu espírito, em sua coragem para enfrentar a pior escuridão que o nosso mundo tem para oferecer, um novo mundo está nascendo.

E, nesse novo mundo, o povo sírio não está sozinho. Milhões de nós de todas as nações os apoiaram diversas vezes desde o início de sua luta. Aproximadamente 75.000 de nós já doaram quase US$ 3 milhões para financiar movimentos populares e entregar equipamentos de comunicação de alta tecnologia para ajudá-los a contar suas histórias, bem como permitir que a equipe da Avaaz ajudasse a infiltrar mais de US$ 2 milhões em suprimentos médicos. Nós organizamos milhões de ações online para pressionar por um ato do Conselho de Segurança e da Liga Árabe e sanções de muitos países, e entregamos essas campanhas online em dezenas de demonstrações, campanhas na mídia e reuniões de alto nível com os líderes mundiais. Juntos, ajudamos a ganhar muitas dessas batalhas, inclusive ações sem precedentes da Liga Árabe, e sanções de petróleo impostas pela Europa.

Nossa equipe em Beirute também forneceu um precioso ponto central de comunicação para corajosos e habilidosos ativistas coordenarem as operações de infiltração complexas e o resgate dos feridos e de jornalistas. A Avaaz não chefiou essas atividades, mas facilitou, apoiou e aconselhou. Nós também estabelecemos esconderijos para os ativistas, e apoiamos a divulgação e envolvimento diplomático do Conselho Nacional da Síria - o corpo representativo do incipiente movimento de oposição política. Muitos dos meios de comunicação mais importantes do mundo cobriram o trabalho da Avaaz de ajuda ao povo sírio, incluindo matérias na BBC, CNN, El Pais, TIME, The Guardian, Der Spiegel, AFP, G1, e muitos mais, citando o nosso "papel central" no movimento de protesto pacífico sírio.

Hoje, mais uma dúzia de pesadelos como os que visitam a cidade de Homs estão se desdobrando na Síria. A situação vai piorar antes de ficar melhor. Será sangrento e complicado, e na medida em que alguns manifestantes pegarem em armas para se defenderem, a linha entre o certo e o errado vai ficar ainda mais tênue. Mas o regime brutal do presidente Assad cairá e haverá paz, eleições, e prestação de contas. O povo sírio simplesmente não vai parar até que isso aconteça - e pode acontecer mais cedo do que todos nós pensamos.

No início, cada especialista nos dizia que uma revolta na Síria era impensável. Mas, de qualquer maneira, enviamos enormes quantidades de equipamentos de comunicação por satélite. Porque a nossa comunidade sabe algo que os especialistas e os cínicos não sabem -- que o poder do povo e um novo espírito de cidadania estão varrendo nosso mundo hoje, que o povo é destemido e imparável, e este espírito vai levar esperança para os lugares mais sombrios. Marie Colvin, uma jornalista americana que cobria a violência em Homs, disse à Avaaz antes de morrer: "Eu não vou deixar essas pessoas". E nem nós.

Com admiração e esperança pelo povo sírio e os cidadãos corajosos em todos os lugares,

Ricken, Wissam, Stephanie, Alice, David, Antonia, Will, Sam, Emma, Wen-Hua, Veronique e toda a equipe Avaaz

P.S. Se você quiser fazer mais, clique aqui para ajudar a manter viva a nossa esperança para a Síria:

https://secure.avaaz.org/po/smuggle_hope_into_syria_po_rb_2//?vl

vendredi 2 mars 2012

Le prix d'une vie de journaliste Française ?le prix du sang

Ce soir au 20 heures des grandes chaines nous allons voir débarquer les deux journalistes français bloqués à Homs pendant une semaine sous les bombardements ...
en grandes pompes , en présence du Président de la République
Congratulations , remerciements etc
La liberté de la presse est sauve , et nos journalistes " héroiques" sont saufs
Bravo
J'aurais le coeur un peu plus léger , si je ne savais pas que la télévision syrienne d'Etat, avait annoncé très officiellement que 12 soldats français avaient été tués samedi .
Or , justement en fin de semaine passée , on a compris gràce au cafouillage de l' Elysée qui avait annoncé la liberation d'Edith Bouvier , trop tôt qu'il se passait quelque chose .....
et furtivement quelques dépèches internationales annonçaient en début de semaine que 12 humanitaires avaient été tués au moment de la tentative d'"exfiltration" de la journaliste .

Bizarre .........j'espère que je me trompe , mais je crains que 12 familles de soldats n'aient pas ce soir la même joie en voyant atterir les héros

La guerre et les opérations de ce type sont toujours sujets à désinformation .
La liberté de la presse , a parfois un lourd tribut à payer

Comment être vigilants comme citoyens ?
En tout cas je vous livre ma part d' information.

Faites un tour en Ardeche

http://www.letour.fr/le-tour/2017/fr/etape-16.html 3 departements traversés Dans notre région de l Ardéchoise. ...